Graduação em Filosofia
  • CARTA ABERTA DOS ESTUDANTES DA FILOSOFIA/UFSC EM GREVE AO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA DA UFSC

    Publicado em 16/09/2019 às 08:39

    Na assembleia ocorrida na última quinta-feira, dia 05/09, os estudantes de filosofia
    decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, até nossas demandas serem atendidas
    pela reitoria da UFSC e pelo Ministério da Educação.
    Mesmo após constantes mobilizações massivas perpassadas por meses, desde o
    congelamento ilegal de 30% do orçamento discricionário da universidade (mais de 60
    milhões de reais no caso da UFSC), nos defrontamos cada dia mais com uma universidade
    completamente defasada e sem qualquer oportunidade de oferecer condições mínimas de
    ensino, pesquisa, extensão e trabalho para os estudantes, técnicos administrativos, professores
    e trabalhadores terceirizados nela atuantes.
    Os ataques à educação pública brasileira não são isolados e não começaram agora.
    Desde 2011 há defasagem no orçamento das universidades e institutos federais devido ao não
    acompanhamento do crescimento da verba outorgada ao crescimento das matrículas. A partir
    da aprovação da EC 95 (que instaurou teto de gastos para as áreas sociais como Saúde e
    Educação) os cortes se tornaram ainda mais intensos, passando de 37,7 bilhões de reais em
    2018 para 17,6 bilhões de reais no orçamento executado até Julho deste ano. Desse valor
    ínfimo ainda nos foi contingenciado 30% dos gastos discricionários. Além disso, já está
    anunciado o corte de 50% para o orçamento da CAPES em 2020.
    A partir de 2016 somadas as renúncias fiscais e o FIES (programa de transferência de
    dinheiro público para o capital privado), o investimento público no ensino superior privado
    ultrapassa o investimento na universidade pública. Meros 7,6% do orçamento do FIES deste
    ano já seriam o suficiente para cobrir o orçamento contingenciado. Fica evidente portanto,
    que a crise orçamentária não é um fenômeno meramente técnico-econômico, mas uma
    escolha política e um projeto de educação.
    O efeito desses constantes cortes é sentido diretamente no cotidiano de todos os
    estudantes. Os estudantes que recebem bolsa permanência, iniciação científica e de monitoria,
    rendas que são na maioria das vezes essenciais para a permanência em uma capital com um
    dos metros quadrados mais caros do Brasil, todo final de mês, desde julho, lidam com a
    ansiedade de não saber se irão receber o valor que lhes é devido. Há cada vez menos vagas de
    monitoria para as matérias obrigatórias, mesmo essa sendo uma ferramenta muito importante
    para a formação filosófica. Neste semestre o mesmo monitor precisava assistenciar múltiplas
    turmas, por falta de bolsas. Aqueles que cursam o programa de pós-graduação têm de
    enfrentar a contagem regressiva para o término antecipado do pagamento de suas bolsas
    desde o governo Temer.
    No âmbito mais geral da universidade, os trabalhadores terceirizados, setor mais
    vulnerável do corpo universitário, vem sendo demitidos aos montes desde o começo do ano.
    Não só as famílias que contavam com essa renda se encontram desamparadas em um
    mercado de trabalho com 13% de desemprego, como há na universidade a defasagem do
    trabalho fundamental que era realizado por essas pessoas. Isso significa: falta de segurança no
    campus, déficit na alimentação do RU, falta de zelo pelo espaço público, etc.. Além disso,
    avulta-se cada vez mais o fechamento do Restaurante Universitário e o término precoce do
    semestre letivo devido à falta de recursos para a manutenção da universidade.
    É nesse cenário que o Governo Federal e o Ministério da Educação apresentam o
    projeto Future-se, e laboram ardilosamente por sua implementação independentemente da
    vontade da comunidade universitária e do povo. Temos clara ciência de que essa é a
    culminação de um projeto privatizante, colonialista e tecnicista de universidade pública. É a
    culminação de décadas de descaso com a pesquisa e a educação brasileira por parte do
    Estado. Agora, mesmo com mais de 12 universidades públicas rejeitando oficialmente o
    projeto do governo, se apegando ao que resta de público e nacional nas nossas universidades,
    o governo ameaça aprová-lo de forma unilateral e despótica, por meio de uma Medida
    Provisória.
    Sua implementação, mesmo que parcial, significará o fim do curso de filosofia na
    educação superior pública brasileira. É importante lembrar que o prelúdio aos cortes foi a
    ameaça de eliminação dos cursos de filosofia e sociologia. Caso o departamento seja
    realmente forçado a captar fundos por si mesmo, como prevê o Future-se, sabemos que ele
    não será capaz de se manter pois o que estudamos não produz retorno imediato ao capital.
    Apesar disso, a filosofia tem um papel importante a cumprir na sociedade, a própria reflexão
    do que significa ser brasileiro. Como diria Hegel, um povo sem metafísica é um povo
    desprovido de essência.
    Reconhecer a importância de lutar com unhas e dentes contra esse projeto de
    universidade é ao mesmo tempo reconhecer que, em primeiro lugar, devemos estar
    empenhados na construção de um outro projeto, verdadeiramente voltado aos interesses da
    classe trabalhadora, a parcela da população que financia e majoritariamente compõe a
    universidade. Em segundo lugar, devemos adotar as táticas mais efetivas, que mais toquem a
    causa desse grande problema pela raiz. A estratégia de combate que aparece à categoria
    estudantil hoje é a greve, não localizada, e não apenas das universidades, mas a greve
    nacional da educação, em todas as universidades, institutos e escolas públicas do país.
    Apenas a paralisação do nosso local de trabalho, estudo e pesquisa nos disponibilizará o
    tempo necessário para nossa luta. Ao mesmo tempo essa ação paralisa a geração de valor
    ocorrida aqui, nas costas da exploração dos estudantes e trabalhadores da UFSC.
    Tendo isso em vista, nossas reivindicações são: I) a total reversão dos cortes e
    contingenciamentos nas bolsas do CNPQ e CAPES, bem como nas verbas discricionárias da
    universidade ocorridas esse ano; II) a retração do projeto FUTURE-SE; III) a ampliação das
    condições de assistência e permanência estudantil; IV) reajuste das bolsas da graduação e
    pós-graduação; e V) fim do mecanismo de lista tríplice e respeito às consultas da comunidade
    universitária para reitoria.
    Temos certeza que nossas reivindicações são comuns com a categoria docente, que
    sentem também na pele o descaso com a educação por parte do Estado brasileiro. Estamos
    cientes que os professores ainda não realizaram as assembléias e votações necessárias em seu
    sindicato para discutir esses ataques e aderir à greve, se colocando ao nosso lado na luta.
    Apesar disso, não podemos aceitar que o departamento de filosofia se posicione de maneira
    indiferente, como se estivéssemos em período de normalidade. Mesmo que o APUFSC ainda
    não tenha adesão ao movimento grevista, sabemos que existem algumas medidas que os
    professores aqui presentes podem tomar para apoiar a luta pela educação superior pública.
    Necessitamos, para o nosso sucesso, um apoio que vá além do mero sentimentalismo de dizer
    que os membros do colegiados se sensibilizam com a causa, mas a verdadeira solidariedade
    concreta, com ações práticas.
    Não há dúvida de nossa parte de que essas são ações imperiosas para a união
    necessária das categorias da universidade tendo no horizonte a vitória contra esse projeto
    privatizante da classe dominante.

    Florianópolis, 13 de Setembro de 2019.


  • Ciclo de minicursos: Filosofia e seus desafios contemporâneos

    Publicado em 09/08/2019 às 09:53

    Este ciclo de minicursos tem por objetivo abordar algumas questões centrais para a Filosofia contemporânea à luz de demandas surgidas no campo da ética, da política e da epistemologia voltadas às discussões sobre gênero, deficiência, raça e reconhecimento e democracia. Cada minicurso focará em um campo de pesquisa específico, discutindo suas questões teórico-metodológicas e apresentando alguns conceitos centrais. Assim, o minicurso sobre Filosofia Feminista versará sobre as principais estratégias e perspectivas feministas de pesquisa na Filosofia, bem como alguns dos conceitos (androcentrismo, patriarcado, conhecimento situado, gênero) e definições (poder, opressão, intersecção…) que vem sendo trabalhadas nesse campo e sua metodologia central. O minicurso sobre deficiência discutirá o significado, a natureza e as consequências da deficiência, bem como os dois modelos de deficiência apresentados pelos diferentes campos de pesquisa: o modelo social e o modelo médico. O minicurso de Filosofia Africana, por sua vez, trabalhará com textos filosóficos desenvolvidos no Antigo Egito, no que ficou conhecida como a filosofia de Amenemope e sua “ética da serenidade”. E o minicurso sobre democracia e contemporaneidade visa pensar nos desafios enfrentados por este conceito na atualidade, especialmente sob a perspectiva da filósofa Nancy Fraser.

    Filosofia Feminista
    Ilze Zirbel – PPGFIL, UFSC
    23 de agosto – Auditório do CFH, das 9h30 às 12h00
    26 de agosto – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    28 de agosto – Auditório do CFH das 9h30 às 12h00
    Palestra (noturno) – 28 de agosto às 19h00 no Auditório do CFH

    Feminismo, capitalismo e democracia em Nancy Fraser
    José Ivan Rodrigues de Souza Filho – PPGFIL, UFSC
    16 de Setembro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    18 de Setembro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    20 de Setembro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00

    Filosofia da Deficiência
    Anahi Guedes de Mello – NED, UFSC/ANIS e Michelle Belatto – PPGFIL, UFSC
    07 de Outubro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    09 de Outubro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    11 de Outubro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    Palestra (noturno) – 09 de outubro às 19h00 no Auditório do CFH

    Filosofia Egípcia
    Jeane Vanessa Santos Silva – CED, UFSC
    04 de Novembro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    06 de Novembro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00
    08 de Novembro – Auditório do bloco E, das 9h30 às 12h00

    Inscrições:
    (As inscrições podem ser feitas para o conjunto de minicursos ou para algum deles individualmente).
    Haverá emissão de certificado de atividade de extensão para cada um dos minicursos.


  • Ciclo de palestras “As Pensadoras”

    Publicado em 06/08/2019 às 09:39

    Ciclo de Palestras “As pensadoras”. Local: UFSC, Auditório Bloco F – CFH.

    Dia 08 de agosto: Prof. Alexandre Meyer Luz (UFSC): “Pensadoras na epistemologia contemporânea. Das virtudes ao preconceito: Linda Zagzebski e Miranda Fricker”

    Dia 29 de agosto: Profa. Edla Eggert (PUCRS): “Artesãs de palavras: mulheres cúmplices do fazer pensar”. (Hildegarda de Bingen; Christina de Pizan; Inês de La Cruz; Mary Wollstonecraft; Nísia Floresta; Maria Firmina dos Reis).

    Dia 19 de setembro: Profa. Janyne Satler (UFSC): “Sobre ciborgues e mundos utópicos: Margaret Cavendish e o Mundo Resplandecente”.

    Dia 03 de outubro: Profa. Patrícia Rosa (IFSC): “A expressão da unicidade encarnada – Adriana Cavarero e o feminismo da pluralidade”.

    Dia 24 de outubro: Profa. Mariana Paolozzi: “Reflexões sobre as ‘Moradas da Alma’, de Tesesa D’Ávila”.

    Dia 07 de novembro: Prof. Bernardo Brandão (UFPR): “O pensamento político de Martha Nussbaum”.

    Certificado: haverá emissão de certificado de atividade de extensão para aqueles que freqüentarem ao menos 75% do ciclo.


  • Mesa-redonda Ver, Pensar, Imaginar

    Publicado em 24/04/2019 às 15:34

     

    O evento será a primeira mesa-redonda do projeto de extensão Ver, Pensar, Imaginar que tem o objetivo de debater o lugar ou a ausência de lugar da imagem e da imaginação no pensamento antigo, medieval, moderno e contemporâneo colocando em em debate a pluralidade de perspectivas teóricas, temáticas e imagéticas. Outras mesas-redondas virão, com a mesma dinâmica.

    O grupo Ver, Pensar, Imaginar se reúne também para leituras de textos dos mais diversos filósofos, dos mais diversos períodos, tendo como recorte a concepção de imagem e imaginação e como escopo a dimensão formativa ou deformativa das teorias das imagens.

    Mais detalhes sobre essas reuniões podem ser encontradas aqui: Ver, Pensar, Imaginar

    Teremos uma variedade de perguntas que orientarão o diálogo entre os diferentes professores das mais diversas áreas. Algumas se manifestam desde já:

     

    • O que é ver?
    • O que é pensar?
    • O que é imaginar?
    • É possível falar em um regime de visibilidade dos antigos, medievais, modernos e contemporâneos?
    • Quais os laços existentes entre ver, observar, entrever e refletir?
    • E entre representar, opinar, pensar e entender?
    • Quais as pontes entre imagens, imaginação e pensamento?
    • Qual o papel da imaginação individual?
    • E do imaginário coletivo?
    • Há um abismo entre ler e ver uma obra de arte?
    • Quais as proximidades entre pintura, escultura e arquitetura?
    • Existe representação do invisível?

  • Grupo de estudos de filosofia analítica da História

    Publicado em 04/04/2019 às 14:39

    Grupo de estudos de filosofia analítica da História. Cronograma/ Projeto  / Datas dos dois primeiros encontros: 05/04   e 12/04


  • Curso de extensão: Filosofia da Tecnologia

    Publicado em 28/03/2019 às 11:20

    O Curso de extensão, aberto à comunidade em geral, será ministrado pelo Professor Dr. Alberto Oscar Cupani. O curso terá início no dia 02/04. Local: Sala 302 do CFH. Horário: 14h20min. Atenção: Não há inscrição prévia para o curso. Serão 12 (doze) encontros semanais de 2 hora-aula. Para receber o certificado no final do curso é necessário o comparecimento mínimo a 10 (dez) encontros, perfazendo 20 horas. Não haverá avaliação nem leituras obrigatórias de uma semana para a seguinte.


  • VI Colóquio do Centro de Investigações Kantianas da UFSC (CIK)

    Publicado em 21/03/2019 às 16:04

    PROGRAMAÇÃO1- FOLDER


  • Colóquio Goethe-Schiller

    Publicado em 15/03/2019 às 18:24


  • A Reconstrução Normativa dos Direitos Humanos entre o Naturalismo e o Normativismo

    Publicado em 07/03/2019 às 07:53

    A Reconstrução Normativa dos Direitos Humanos

    entre o Naturalismo e o Normativismo

    09 de abril de 2019 às 19h

    Auditório do CFH

     

     

    Nythamar Hilario Fernandes de Oliveira Junior

    Após cursar dois anos de Engenharia Eletrônica (Básico) na Escola Politécnica da FESP, fez graduação e mestrado em Teologia (Licence et Maîtrise en Théologie) na Faculté de Théologie Réformée d’Aix-en-Provence (1985, 1987), mestrado em Filosofia (Villanova University, 1990) e doutorado em Filosofia (Ph.D., 1994) pela State University of New York em Stony Brook. Tem pós-doutorado na New School for Social Research (1997-98), na University of Miami (2015, 2016), na London School of Economics e na Universität Kassel (2004-05, 2012), onde foi pesquisador bolsista da Alexander von Humboldt Stiftung. Tem sido Pesquisador do CNPq desde 1995, e atuado como consultor ad hoc do CNPq, da CAPES e da FAPERGS. Foi professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 1994-99, e tem sido professor visitante na University of Toledo, Ohio (EUA), desde 2007-08. Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Coordenador de área da Filosofia na CAPES (quadriênio 2018-22), Coordenador do Grupo de Pesquisa em Neurofilosofia (Instituto do Cérebro, InsCer), Editor da revista Veritas, membro do Comitê de Bioética Clínica e membro da comissão coordenadora do Centro Brasileiro de Pesquisas em Democracia, criado em 2009. Criou em 1999 a Sociedade Brasileira de Fenomenologia e foi Coordenador do PPG em Filosofia e membro do Comitê de Ética em Pesquisa da PUCRS, tendo atuado como membro do Comitê Assessor da Área Filosofia junto à CAPES (triênio 2004-06) e como parecerista e consultor editorial de vários periódicos especializados. Tem experiência nas áreas de Ética e Filosofia Política, atuando ainda nas áreas de hermenêutica, fenomenologia e idealismo alemão. Organizou 12 eventos internacionais e participou com apresentação de trabalho em mais de 50 eventos (sendo mais de 30 eventos internacionais). Orientou 13 estágios pós-doutorais, 30 dissertações de mestrado e 25 teses de doutorado (concluídas e publicamente defendidas). Publicou 5 livros como autor individual (monografias), co-organizou 8 volumes e tem mais de 40 artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, tais como Manuscrito, Deutsche Zeitschrift für Philosophie, Veritas, Filosofia Política, Dois Pontos, Civitas, New Nietzsche Studies, International Studies in Philosophy, Comparative and Continental Philosophy e Rivista Internazzionale di Filosofia del Diritto, e mais de 15 capítulos de livro em coletâneas publicadas pela Blackwell, Presses Universitaires de France, W. de Gruyter e editoras universitárias nacionais e estrangeiras.

     

    NYTHAMAR (1)

     


  • GEFID – GRUPO DE ESTUDOS EM FILOSOFIA DO DIREITO

    Publicado em 07/03/2019 às 07:51

    GEFID

    GRUPO DE ESTUDOS EM FILOSOFIA DO DIREITO

    O grupo funciona desde 1998.

     

    ATIVIDADE DE EXTENSÃO

    Coordenação: Prof. Dr. Delamar José Volpato Dutra e Prof. Dr. Alessandro Pinzani

     

    2019/1

    CONTEÚDO TEMÁTICO

     

    • A constitucionalização simbólica

     

     

    Livro de  Marcelo Neves

     

    Os encontros ocorrerão nos seguintes sábados das 10 às 12 horas no CFH:

    6 de abril

    4 de maio

    8 de junho

     

     

    Memória: #1998 Habermas #1999 Rawls Political Liberalism #2000 Dworkin #2004/2 Habermas Era das Transformações #2005/1 Habermas O futuro da natureza humana; Dworkin Playing God #2005/2 Agamben Homo Sacer; Estado de Exceção #2006/1 Benjamin Tese de filosofia da história #2006/2 Ranciére O Desentendimento e Badiou: Metapolítica #2007/1 Fraser/Honneth Redistribution or Recognition? #2007/2 Benhabib The Claims of Culture #2008/1 Urbinati Representative Democracy #2008/2 Cunningham Theories of Democracy #2009/1 Honneth Luta por reconhecimento #2009/2 Kant Doutrina do Direito #2010/1 Kant Paz perpétua #2010/2 Schmitt #2011 Dworkin Justice for Hedgehogs #2012/1 Sen The Idea of Justice #2012/2 Fraser Scales of Justice #2013/1 Habermas Teoria da ação comunicativa #2013/2 Filósofa do séc. XX Anscombe Modern Moral Philosophy; Arendt The Human Condition; Young Responsability for Justice #2014/1 Religião e filosofia no séc. XXI: Blackburn, Anderson, Nussbaum, Leiter, Dworkin #2014/2 A filosofia dos direitos humanos de Costas Douzinas #2015/1 Hirschl Towards Juristocracy #2015/2 MacINTYRE Justiça de quem? Qual racionalidade? #2016/1 SINGER The Most Good You Can Do; MacASKILL Doing Good Better #2016/2 Pinzani Vozes do bolsa família #2017/1 Frankfurt Inequality; Miguel Democracia e representação #2017/2 Fraser: Fortunes of Feminism #2018/1 Jaeggi: Alienation #2018/2 Neumann O império do direito

     

    GEFID 2019


  • Semana acadêmica da Filosofia – SAFIL – De 13 a 17 de maio de 2019

    Publicado em 21/02/2019 às 17:29

     

    CHAMADA DE TRABALHOS PARA A SEMANA ACADÊMICA DE FILOSOFIA (SAFIL) 2019


  • Seleção de dois estudantes para bolsa PIB – SAAD

    Publicado em 19/02/2019 às 15:27

    A SAAD vem por meio deste tornar público o processo de seleção de dois estudante para bolsa PIB.

    Os alunos:

    1. Não podem estar na 1ª fase;

    2. Não podem ter Frequência Insuficiente (FI);

    3. Índica de aproveitamento tem de ser acima de 6,0;

    A primeira vaga terá preferência para quem ingressou na UFSC por meio de política de ações afirmativas e a segunda para que não ingressou por meio desta, respectivamente.

    A bolsa terá validade a partir de 04/03/2019, portanto as submissões devem ser feitas ATÉ 26/02/2018.

    O valor é de: R$364,00 acrescido de R$132,00 de auxílio transporte, totalizando R$497,00.

    A inscrição é on-line. São duas perguntas e a submissão do currículo do estudante por meio do link: https://goo.gl/forms/nRcBAQfxrLHaoTZz2


  • Chamada para seleção de um bolsista de extensão para estudantes de graduação (PROBOLSAS-2019) vinculada ao projeto de extensão “Ver, Pensar, Imaginar” do Grupo de Pesquisa em Filosofia da Educação e Arte (CNPq-EED-CED)

    Publicado em 14/02/2019 às 13:07

    Os Requisitos do Bolsista são:
    1. Estar matriculado em curso de graduação da UFSC;
    2. Não ter colação de grau prevista para o período de vigência da bolsa (de março de 2019 até dezembro de 2019)
    3. Possuir índice de aproveitamento acumulado (IAA) igual ou superior a 6,0;
    4. Não estar matriculado na primeira ou última fase do seu curso de graduação;
    5. Dispor de 20 horas semanais para dedicação ao projeto;
    6. Não receber outra bolsa de qualquer natureza ou ter vínculo empregatício (exceto a Bolsa Estudantil instituída pela Resolução n’ 32/CUn/2013).
    7. Ter disponibilidade para entregar toda a documentação exigida pelo edital PROBOLSAS até dia 27 de fevereiro pessoalmente na UFSC.

    Inscrição: Enviar, até o dia 20 de fevereiro de 2019, o histórico escolar e uma carta de motivação apresentando seu interesse em participar da pesquisa para o e-mail

    CHAMADA_verpensarimaginar


  • Curso de extensão “Filosofia da Tecnologia”. Ministrante: Prof. Alberto Cupani (2019/1)

    Publicado em 08/12/2018 às 12:32

    Programa curso de extensão Filosofia da Tecnologia


  • Os cursos de Bacharelado e Licenciatura em Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina – Florianópolis foram estrelados na avaliação de cursos superiores realizada pelo Guia do Estudante (GE) em 2018. As estrelas do curso foram publicadas no GUIA DO ESTUDANTE PROFISSÕES – VESTIBULAR 2019

    Publicado em 03/12/2018 às 12:19